Remédio de R$ 3 evita que mães morram de hemorragia

                       Foto: Pixabay
                                 Foto: Pixabay
Um remédio barato, descoberto por um casal japonês na década de 1960, pode impedir a morte de pelo menos 30 mil mulheres por ano, vítimas de sangramentos intensos, a chamada hemorragia pós-parto.
A droga, que poderia estar salvando vidas há 50 anos, foi rejeitada na época. Ninguém queria testá-la.
Agora a revista científica Lancet revelou: pesquisadores da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres confirmaram que o ácido tranexâmico é eficaz para inibir a dissolução de coágulos no corpo e estancar sangramentos.
“Nós conseguimos um resultado importante. Descobrimos que um medicamento barato, tomado em dose única, reduz o risco de hemorragia severa e pode ter um papel significativo em diminuir a mortalidade maternal ao redor do mundo”, disse Ian Roberts, que participou da pesquisa.
O pesquisador afirmou que apesar do custo baixo, o desafio agora é levar o medicamento a hospitais do mundo todo.
“É uma coisa horrível uma mãe morrer no parto. É extremamente importante que tenhamos disponibilidade do tratamento em qualquer lugar onde ele possa salvar vidas. Não deveríamos ter uma criança crescendo sem a mãe por falta de um medicamento que custa um dólar”, afirmou.
Cerca de 100 mil mulheres morrem todos os anos por causa de sangramentos intensos momentos após o parto, o que torna a hemorragia pós-parto a principal causa de mortes decorrentes da gravidez e da maternidade precoce.
A pesquisa
A  pesquisa foi realizada em parceria com 193 hospitais principalmente da Ásia e África e envolveu 20 mil pacientes.
Entre as mulheres que tomaram o ácido tranexâmico, em até três horas após o parto, a redução chegou a 31%.
Após a publicação dos resultados, a Organização Mundial da Saúde afirmou que vai mudar a recomendação de uso do medicamento e incluir os casos de hemorragia pós-parto.
Remédio antigo
O remédio foi descoberto na década de 1960 no Japão por Utako Okamoto, que inventou o medicamento junto com o marido, Shosuke, durante a pobreza do período pós-guerra no Japão.
Na época, o casal não conseguiu convencer os médicos locais a testarem o ácido em casos de hemorragia pós-parto. O medicamento então foi comprado por uma empresa farmacêutica e usado contra fluxos menstruais intensos.
Mas o casal persistiu e conseguiu 20 mil inscritos para testar o remédio, em parceria com hospitais ao redor do mundo.
Eficácia confirmada
Infelizmente a professora Utako, de 98 anos, morreu pouco antes de os testes comprovarem que estavam certas suas suspeitas sobre a eficácia do remédio em hemorragias pós-parto.
Em um vídeo filmado antes do final dos testes, ela afirmou já ter certeza da eficácia da droga.
“Mesmo antes da pesquisa, eu sei que vai ser eficiente”, disse Utako Okamoto.
                  Utako Okamoto no seu laboratório em 1961 - Foto: arquivo familiar
                     Utako Okamoto no seu laboratório em 1961 – Foto: arquivo familiar
Com informações da BBC
crédito: http://www.sonoticiaboa.com.br/2017/05/01/remedio-de-r-3-evita-que-maes-morram-de-hemorragia/

Comentários