Aquário de Natal recebe micos em risco de extinção e aguarda novo hipopótamo

Quatro micos leões de cara dourada chegaram nesta quarta-feira (19). Aquário vai receber Joaninha, um hipopótamo fêmea de oito anos, que vai fazer companhia a Yago, um macho de dois anos.

                       Mico leão de cara dourada é uma espécie em risco de extinção  (Foto: Douglas Brandão)
                Mico leão de cara dourada é uma espécie em risco de extinção (Foto: Douglas Brandão)

Aquário de Natal recebeu quatro novos moradores. Os micos leões de cara dourada chegaram nesta quarta-feira (19) e são os primeiros de uma série de novos animais que o o local vai receber. A espécie está ameaça de extinção e corre o risco de desaparecer da natureza. “Estamos aguardando outras sete novas espécies de primatas e a Joaninha, um hipopótamo fêmea de oito anos”, explicou Douglas Brandão, biólogo e um dos proprietários do aquário.

A espécie consta como "Em Perigo de Extinção", segundo a lista do Ibama de classificação do estado de conservação dos animais brasileiros, o número de indivíduos na natureza é muito pequeno para garantir a manutenção da espécie. Segundo a lista, o desmatamento, a caça e o tráfico de animais são as principais ameaças à espécie.

O mico leão de cara dourada é um primata pequeno, brasileiro, que habita a Floresta Atlântica, do Sul da Bahia até o extremo Nordeste de Minas Gerais. A alimentação tem como base frutas e insetos. Eles vivem em grupos, em que existe uma fêmea dominante e alimentam-se de frutos, invertebrados e pequenos vertebrados
                     Micos chegaram nesta quarta (19) ao Aquário de Natal (Foto: Douglas Brandão )
                                    Micos chegaram nesta quarta (19) ao Aquário de Natal (Foto: Douglas Brandão)

Os animais ganharam um recinto construído recentemente, mas não vão poder ser vistos ainda, pois estão em quarentena. “Os quatro micos já estão no recinto novo, vão passar quarenta dias se adaptando ao local e depois poderão ser vistos. Os outros recintos vão receber babuínos, macacos-de-cheiro e outras espécies de primatas”, explicou Douglas.

Os micos-de-cheiro são pequenos primatas que vivem em grupos, possuem pelo curto, hábitos diurnos. Seu nome deve-se ao costume de encharcar a cauda com a própria urina. Já o babuíno é uma espécie de origem africana e vivem em grandes grupos.                                                                                       O hipopótamo Yago, do Aquário de Natal, vai ganhar uma companheira (Foto: Andréa Tavares/G1)
                O hipopótamo Yago, do Aquário de Natal, vai ganhar uma companheira (Foto: Andréa Tavares/G1)

Hipopótamo

Residente no Aquário de Natal há dois anos, o hipopótamo Yago agora vai ganhar uma companheira de peso. Joaninha, uma fêmea de oito anos e mais de uma tonelada, deve chegar na semana que vem, segundo Douglas.

“Ela vem de um zoológico de Santa Catarina. Estamos recebendo pois eles já têm um grande número dessa espécie”, explicou. Douglas também disse que o Aquário tem estrutura para receber filhotes do futuro casal, mas Yago ainda não está em idade reprodutiva. “Só daqui há um ano”, disse.

Joaninha está na estrada há uma semana. Ela está sendo transportada de caminhão e deve chegar na próxima segunda-feira (24).

Yago nasceu no Parque Zoológico Municipal Quinzinho de Barros (Zoo de Sorocaba), no estado de São Paulo em março de 2014. O hipopótamo é o 13º filho do casal de hipopótamos Yara e Yuri que estão juntos há 37 anos.

Aquário

O aquário fundado em 15 de janeiro de 1999 é uma empresa de iniciativa privada que possui como foco a preservação ambiental, o cuidado com a fauna (seja ela nativa ou não) e o trabalho voltado para a conscientização ambiental.

O local também oferece aos visitantes a possibilidade de mergulhos acompanhados de um instrutor de mergulho credenciado, em um grande aquário com mais de 260 mil litros de água salgada onde abrigam cinco tubarões da espécie Lixa (Ginglymostoma cirratum), uma tartaruga marinha Verde (Chelonia mydas), três Rêmoras (Echeneis naucrates) e outros peixes. 

Publicado por: http://g1.globo.com/rn

Comentários