Natal tem 38 postos com aumento abusivo de combustíveis, diz Procon

Pesquisa do Procon Natal avaliou preços dos combustíveis em 60 postos.
Postos que reajustaram gasolina acima do previsto serão notificados.

Do G1 RN
Aumento no preço de combustíveis chega tímido aos postos de Goiânia, Goiás (Foto: Sílvio Túlio/G1)Aumento no preço de combustíveis foi alvo de
pesquisa do Procon Natal (Foto: Sílvio Túlio/G1)
Em nota divulgada nesta quarta-feira (11), o Procon Natal avisou que notificará 38 postos de combustíveis que reajustaram o preço da gasolina acima do valor previsto pelo governo federal. Após a realização de uma pesquisa que avaliou o preço da gasolina em 60 postos da capital, constatou-se que o preço médio da gasolina comum passou de R$ 3,07 para R$ 3,28, um aumento de 6,7%. Veja (AQUI) a pesquisa completa.
O governo federal havia anunciado uma previsão de aumento médio de R$ 0,22 centavos por litro da gasolina e R$ 0,15 no litro do diesel. A pesquisa do Procon Natal mostra que o aumento médio na capital foi de R$ 0,21 centavos para a gasolina comum (abaixo da previsão) e R$ 0,15 para o diesel comum, exatamente a previsão econômica.
“Vamos notificar os postos que aplicaram reajustes acima do previsto para que apresentem suas planilhas de formação dos custos e as devidas justificativas para os valores reajustados”, disse Kleber Fernandes, diretor geral do Procon Natal. Ele afirma ainda que, caso sejam constatados os abusos, serão abertos processos administrativos contra os postos, que podem acabar em aplicação de multas.
Em relação à gasolina, o maior valor constatado pelo Procon na capital foi de R$ 3,40 em um posto da Zona Sul da cidade. O menor, foi de R$ 3,14 em um posto da Zona Oeste. Ou seja, uma diferença de R$ 0,26 centavos por litro de gasolina, o que pode gerar uma economia de aproximadamente 13 reais para quem enche um tanque com 50 litros de combustível.
O Procon orienta que os consumidores evitem abastecer nos postos que apresentam maiores valores. “Só com a participação e o envolvimento da sociedade vamos conseguir pressionar para que tenhamos um preço mais justo”, orienta o diretor geral do órgão.
O Procon ressalta que, mesmo o reajuste dos impostos tendo sido aplicado somente sobre a gasolina e o diesel, o uso da gasolina continua sendo mais viável para o consumidor, pois o valor do etanol representa hoje 79,5% do valor da gasolina. Para que fosse mais viável o uso do álcool, esse percentual não poderia ser superior a 70%.

Comentários